6 mitos sobre a internacionalização das empresas

Publicado em 30/07/2015 às 16h31

1. Exportar é bom, importar é ruim

Na verdade, exportação e importação são dois lados da mesma moeda. Ao importar, a empresas aumentam o valor agregado de seus produtos e, consequentemente, da indústria nacional. Um país que não importa não é competitivo no mercado internacional. A criação de um "mercado cativo" para os produtos nacionais diminui os estímulos à eficiência e inovação. A importação permite à industria agregar valor aos seus produtos e aumenta a competitividade da indústria nacional.

2. O Brasil é um grande ator no comércio mundial

O Brasil é a 7ª economia do mundo. Apesar disso, o país é apenas o 25º no ranking de participação no comércio internacional, atrás de Arábia Saudita, Bélgica e México. Daí a importância de assinar novos acordos comerciais para intensificar a participação brasileira no comércio mundial.

3. Só as grandes empresas conseguem exportar 

As grandes empresas, de fato, concentram 95,9% do valor exportado pelo Brasil, mas, em número absoluto de empresas exportadoras, as micro e pequenas são maioria: responderam por 42,1% das companhias, em 2013. Para aumentar a participação de negócios menores, é preciso ampliar e baratear o financiamento das exportações.

4. O mercado interno é suficiente para o crescimento da indústria 

Que o mercado interno do Brasil é grande, ninguém duvida. Mas 98% dos consumidores do mundo estão fora das fronteiras. Além disso, o mercado externo é fonte de grande demanda e, portanto, de aumento de lucro e inovação. Ter mercados no exterior diversifica o risco e deixa a empresa menos vulnerável aos ciclos negativos da economia doméstica.

5. O setor de serviços não é importante para a indústria brasileira 

Aproximadamente 40% do valor agregado das exportações brasileiras vêm do consumo de serviços, média superior a de outras economias emergentes como Rússia e China. Os serviços como design, energia, infraestrutura, serviços financeiros e telecomunicações são fundamentais para o desenvolvimento industrial. Políticas integradas de serviços e indústria podem reduzir custos, aumentar a agregação de valor, ampliar as exportações, além de gerar emprego e renda.

6. Investir no exterior diminui os investimentos e os empregos no Brasil 

Os investimentos brasileiros no exterior ajudam as empresas a acessar novos mercados e a aumentar as exportações a partir do Brasil. Esse crescimento, por sua vez, provoca mais investimentos na produção local e gera empregos. Além disso, atuar no exterior significa ter clientes mais exigentes, o que torna as empresas mais produtivas, inovadoras e competitivas. As principais economias do mundo têm políticas consistentes bem definidas de apoio aos investimentos de suas multinacionais no exterior. 

Fonte: Agência CNI de Notícias

Categoria: Cenário Macroeconômico, Comércio Exterior, Norte do Paraná, Paraná

Enviar comentário

voltar para Notícias

left tsN fwR uppercase show|left tsN fwR uppercase bsd b01s|left fwR uppercase show bsd b01s|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd c10|fsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase b01 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase bsd b01|content-inner||