Coreanos largam na frente em projeto de nova ferrovia no Paraná

Publicado em 31/08/2018 às 17h17

A proposta de fazer uma nova ferrovia no Paraná, ligando Dourados, no Mato Grosso do Sul, a Paranaguá, está começando a ganhar forma na prancheta de projetos de diversos grupos internacionais que disputam o negócio. O governo do Paraná anunciou a iniciativa no ano passado e recebeu, até março, os Procedimentos de Manifestação de Interesse (PMIs). Entre os grupos que oficializaram a proposta para realizar os estudos de viabilidade – e serem remunerados só depois da licitação – está uma empresa asiática, que avançou mais nos levantamentos.

Entrega - A Pyunghwa Engineering Consultants Ltd. (PEC) é a empresa coreana que conseguiu entregar no prazo combinado oito propostas de traçado e partiu para novas etapas, enquanto grupos americanos, espanhóis e franceses pediram mais tempo. De acordo com Murilo Noronha da Luz, coordenador de concessões e parcerias da Secretaria de Planejamento, nenhum dos quatro consórcios autorizados a fazer os estudos de viabilidade (técnica, ambiental e econômica) desistiu. A expectativa é de que as empresas selecionadas apresentem soluções para construir mil quilômetros de ferrovia, ao custo estimado de R$ 10 bilhões.

Alternativas de traçado - Para economizar dinheiro, tempo e trabalho, o governo estadual priorizou as alternativas de traçado da ferrovia, para que os levantamentos topográficos e geotécnicos fossem feitos apenas nos locais previamente aprovados. Já há uma discussão prévia com ambientalistas, principalmente para encontrar as melhores opções para cortar o trecho de Serra do Mar, sobre os pontos mais indicados para a ferrovia.

Previsão - A previsão é de que os estudos estejam prontos até o final do ano. Depois disso, começa a fase de avaliação técnica das propostas apresentadas. Pela legislação vigente, o governo estadual não paga pelos estudos. As empresas autorizadas aceitam a proposta, por conta e risco, acreditando que podem apresentar o melhor projeto. O modelo escolhido será usado na licitação – e a empresa vencedora deve remunerar quem fez o projeto, avaliado em R$ 25 milhões.

Expectativa - A expectativa é fazer a licitação para a construção da ferrovia no segundo semestre de 2019. Um dos objetivos é diminuir o trânsito de caminhões nas rodovias e também o valor do frete no transporte de cargas. A ideia é construir dois ramais ferroviários: um de Dourados (MS) a Cascavel e outro de Guarapuava a Paranaguá. No meio dos dois trechos há a linha férrea operada pela Ferroeste.

Paralela - De Guarapuava a Paranaguá, a nova ferrovia seria paralela à BR-277. O transporte ferroviário no trecho é feito atualmente pela concessionária Rumo, que passaria a ter concorrência. Atualmente, menos de 20% das cargas que chegam ao porto de Paranaguá viajam de trem. Além do alto número de acidentes e do custo elevado para quem paga o frete, a movimentação de veículos pesados danifica o pavimento e prejudica o meio ambiente – com queima de combustíveis e emissão de gases. 

 

Nova Ferroeste - Veja qual será o traçado da extensão da ferrovia, segundo projeto do governo do Paraná:

 

TRECHO 1

Guarapuava-Paranaguá – 400 quilômetros de ferrovia, descendo a serra paralelamente à BR-277. Trecho ficará sob concessão estadual. CONSTRUÇÃO

 

TRECHO 2

Guarapuava-Cascavel – revitalização do trecho de 250 quilômetros já existente. Subconcessão da Ferroeste. REVITALIZAÇÃO

Cascavel-Dourados (MS) – 350 quilômetros de ferrovia. Subconcessão da Ferroeste. CONSTRUÇÃO

Custo total estimado

R$ 10 bilhões

Distância total

1 mil km de trilhos

(Gazeta do Povo)

Enviar comentário

voltar para Notícias

left tsN fwR uppercase show|left tsN fwR uppercase bsd b01s|left fwR uppercase show bsd b01s|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd c10|fsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase b01 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase bsd b01|content-inner||