Com 800 inscritos, Hack pelo Futuro anuncia os três vencedores da competição

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

“A sociedade certamente vai enfrentar muitos desafios no futuro pós-coronavírus. E para começar a desenhar as soluções que podem ajudar nessa transição, a Superintendência Geral de Inovação do Estado Paraná promoveu nos últimos oito dias o Hack Pelo Futuro, uma competição entre estudantes e profissionais para resolver desafios nas áreas de saúde, economia, cultura e sociedade. Ao todo, o evento reuniu 800 pessoas, divididas em 124 grupos de trabalho, focadas em criar projetos que pudessem ser acelerados por investidores e que respondessem a uma questão crucial: como será futuro pós-coronavírus?

A maratona recebeu participantes de diferentes estados do Brasil e inclusive de outros países como dos Estados Unidos, Canadá, França, Colômbia, Paraguai, Holanda e Portugal. No total, 230 mentores colaboram em todas as fases do hackaton, desde a ideação, prototipagem e validação das ideias.

Após o exaustivo trabalho online, dez projetos foram selecionados pelos avaliadores para concorrer a uma participação no Programa de Aceleração do Founder Institute Brazil, com sede no Vale do Silício. Nesta segunda-feira (4), os três primeiros lugares foram anunciados como os vencedores da competição.

Em primeiro lugar os avaliadores selecionaram o projeto Nota10, uma ferramenta que por meio de um sistema de pontuação, estimula o uso do álcool gel para limpeza das mãos. O segundo lugar ficou com a solução Remédio Já, que ajuda pessoas com doenças crônicas a organizarem os horários da medicação. O sistema avisa ainda o momento de comprar o remédio e indica o melhor preço entre as farmácias.

Já a equipe AgroSimples, desenvolveu um marketplace para ajudar produtores agrícolas e comerciantes a fazer negociações virtuais de insumos, facilitando o pagamento e a rastreabilidade dos produtos.

Outros projetos que se destacaram entre os dez melhores foram o Startup2pets, que une quem quer adotar animais aos protetores de cães e gatos, além de um tapete batizado de Saniflex, que possui um produto químico que pode ser instalado em entradas de ambientes para desinfectar os calçados, evitando a propagação do novo vírus.

Para o Superintendente de Inovação do estado do Paraná, Henrique Domakoski, o sucesso do Hack pelo Futuro mostra que as mais diversas soluções podem partir da organização civil. “Independente dos três selecionados para a aceleração, conseguimos impactar mais de 800 participantes. Ensinamos eles a se reinventarem, foram centenas de pessoas relatando de que oferecemos uma caixa de ferramentas, de como se inserir nesse novo normal, e muitas ideias que já existiram foram tiradas do papel”, conta. Ao todo 80% dos participantes nunca haviam participado de uma competição de desenvolvimento de projetos antes.

Domakoski ainda contou que o sucesso do evento estimulou que as entidades envolvidas na organização pensassem em uma continuação da experiência. “A ideia é unir a comunidade novamente, academia, investidores, parques tecnológicos para fazer o After Hack e aproveitar a comunidade que está disposta a construir um Paraná melhor.” afirma. Ainda não foi confirmada uma data para este evento ser realizado.

Fonte: Gazeta do Povo