Startups de incubadoras do PR faturaram 20 vezes valor investido

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

De 2016 a 2019, negócios hospedados em 17 incubadoras do Paraná faturaram, juntas, R$ 66 milhões. O valor representa um retorno financeiro 20 vezes maior do que o valor investido pelo Sebrae/PR nessas startups, que somou R$ 3,4 milhões no período. Como resultado, as empresas retornaram aos cofres públicos R$ 4,7 milhões em impostos, valor 39% maior do que o investido. O dado é de levantamento realizado pelo Sebrae, com cerca de 150 startups das incubadoras apoiadas pela entidade no Estado, inclusive em Londrina.

O estudo mostrou ainda que os negócios incubados geraram 328 postos de trabalho. Isso quer dizer que, para cada R$ 10.429 investido, um novo emprego foi gerado nesses negócios. As empresas também geraram, no período pesquisado, 653 marcas e patentes.

Uma delas é a Countfly, de Londrina, que oferece um sistema de gestão e contabilidade a microempresários e já tem atuação em 14 estados. A startup começou a receber, no ano passado, um investimento de um investidor anjo de Curitiba, que pode chegar a R$ 200 mil ao final do processo. O negócio fatura R$ 12 mil ao mês e deve abrir duas vagas nas áreas de Marketing e Customer Success, conta a sócia Analita Soto.

A Lift, startup de sistema para lojas de móveis de alto padrão, também de Londrina, cresceu uma média 40% ao ano desde 2010 e já chegou a 20 estados brasileiros. Além dos cinco funcionários, a empresa deve contratar mais um funcionário nesse primeiro semestre. Segundo Bruno Lorca, sócio do negócio, ainda nesse semestre, a Lift deverá lançar um app de vendas. O produto está em fase final de testes. 

De Londrina, a Lift cresce em média 40% ao ano. Da esq. à dir: Eduardo Giroto, analista de Desenvolvimento Jr, Carlos Fiorato, do setor Financeiro, Bruno Lorca, diretor comercial, Mariana Cabrioti, do setor de Projetos e Daniel Stock, gerente de Desenvolvimento
De Londrina, a Lift cresce em média 40% ao ano. Da esq. à dir: Eduardo Giroto, analista de Desenvolvimento Jr, Carlos Fiorato, do setor Financeiro, Bruno Lorca, diretor comercial, Mariana Cabrioti, do setor de Projetos e Daniel Stock, gerente de Desenvolvimento | Divulgação

Para Aloísio Cerqueira, gestor do Programa de Incubadoras do Sebrae/PR, o bom retorno das startups também mostra que o ambiente em que as incubadoras estão inseridas vem melhorando e que, embora representem risco, vale a pena investir nesses negócios. “Especialmente nessas que estão 100% nesses ambientes”, salienta.

A Intuel é uma das incubadoras apoiadas pelo Sebrae por meio do Programa de Incubadoras do Sebrae/PR. Segundo Edson Miúra, coordenador da Aintec (Agência de Inovação Tecnológica da Universidade Estadual de Londrina), as 15 startups incubadas na Intuel (Incubadora Internacional de Empresas de Base Tecnológica da UEL) entre em 2018 e 2019 geraram, juntas, faturamento de R$ 472,8 mil, recolheram R$ 47,6 mil em impostos abriram 54 postos de trabalho. Atualmente, a Intuel tem 11 incubadas. 

Ao serem aprovadas no edital da incubadora, as startups já têm “pontos suficientes” para receberem fomento, afirma Miúra. O ambiente também promove a aproximação com professores e pesquisadores da universidade, viabilizando o desenvolvimento de tecnologia. Para o coordenador da Aintec, a incubadora funciona como uma “vitrine” do ecossistema de inovação de Londrina, atraindo o interesse de investidores.   

Crescimento acelerado

Um financiamento realizado em um programa de fomento, segundo Bruno Lorca, sócio da Lift, ajudou a empresa a crescer. Mas a inovação, o foco no produto e o atendimento rápido e eficiente também contribuíram para que o negócio entrasse em uma crescente, ele destaca. “Nossa missão é ser o melhor do Brasil em nosso nicho de mercado.”

Na opinião de Analita Soto, da Countfly, planejamento, conhecer o perfil, as necessidades e expectativas do cliente e entender as mudanças tecnológicas e do comportamento dos usuários são elementos chave para o desenvolvimento da startup. Segundo ela, havia também uma demanda crescente de um público específico, que usa ferramentas digitais para na sua rotina pessoal e de trabalho, que contribuiu para o seu crescimento.

Startups de incubadoras do PR faturaram 20 vezes valor investido

Mas o mais importante, na sua visão, é encontrar um propósito para o negócio. “A gente não vende sistema de gestão e contabilidade, vende educação financeira. Desde o início, quando surgiu o projeto, esse foi nosso propósito: levar educação de gestão e finanças para microempresários. O empreendedor precisa encontrar motivação, alguma coisa que toque no coração dele.”

Fonte: Folha de Londrina