Londrina inaugura Hub de Inteligência Artificial e Agro é destaque

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

O Hub de Inteligência Artificial de Londrina foi inaugurado hoje a fim de fomentar soluções de Big Datacloud computing e machine learning em diferentes setores produtivos, entre eles o agronegócio. O AgEvolution noticiou o plano de abertura do hub no início de setembro.

Com orçamento de R$ 10 milhões, o local conta com 540 m², 66 estações para empresas, espaço de treinamento, área multiuso e um completo laboratório computacional.

O local dispõe de dois potentes servidores, duas walk station, impressora 3D, um conjunto de visão computacional, braço robótico, simulador de linha produção e outros equipamentos capazes de materializar as ideias em soluções escaláveis.

O projeto do Hub de IA de Londrina é um investimento do Senai Nacional e parceiros e tem gestão do Sistema Fiep (Federação das Indústrias do Paraná). De total de recursos, R$ 4 milhões já foram executados e outros R$ 2 milhões serão investidos em hardware e software até 2020.

“A região é muito forte também no agronegócio e é a base de muitas startups no setor. Aqui estamos prontos para receber os empreendedores que pretendem embarcar estes tipos tecnologia em seus projetos e, principalmente, para validar de suas soluções”, comenta Felipe Couto, gerente do espaço. Londrina tem um ecossistema agtech bastante desenvolvido e recebe eventos importantes  do setor, como o Hackathon da Expolondrina.

Os três pilares de atuação serão o desenvolvimento de um assistente industrial virtual, destinado principalmente a indústrias de pequeno porte, o Programa de Inovação Corporativa em Inteligência Artificial com aporte do FIEP por seis meses, e a capacitação de profissionais.

O Hub, inclusive, oferece uma pós-graduação com duração de 12 meses para imersão em ciência de dados, machine learning, visão computacional, computação de alto desempenho, entre outras. Um turma já 20 pessoas começa as aulas nesta semana e uma segunda convocatória deve ser aberta até março de 2020.

“As técnicas de IA são um meio, não um fim. Por exemplo, elas trazem benefícios de ponta a ponta de uma cadeia pois permitem otimizar custos de operação e agregação de valor. Por isso o nosso foco também em formação”, descreve.

Representantes do agro  

O setor da agropecuária já tem, pelo menos, quatro “residentes” no novo Hub, as empresas Agrisolus e FarmGo, bem como as cooperativas Cocamar e Integrada.

Ricardo Matiello, fundador e sócio da FarmGo, por exemplo, vê a iniciativa como estratégica neste momento de construção do Agro 4.0 no País. “Sempre valorizamos as alianças capazes de somar ao setor como um todo. Faz todo sentido apoiarmos e patrocinamos esta iniciativa, que vai se consolidar como referência também no agro”, comentou.

Entre instituições e empresas de outros setores, também figuram IBM, Google e Microsoft, além de MIT Computer Science & Artificial Intelligence Lab (Estados Unidos), Fraunhoffer Institute for Industrial Engineering (Alemanha) e Vector Institute (Canadá), bem como ventures e investidores anjo.

Fonte: Ag/Evolution